quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Em Missão Impossível


Não tenho uma boa relação com a chuva. Sei que ela é necessária, não discuto isso, mas para mim, podia chover a noite toda para que durante o dia fizesse sempre sol. Nesta sequência, eu e o guarda-chuva também não nos damos nada bem. Não gosto de andar com ele atrás, evito-o ao máximo. O que, diga-se de passagem, não tem sido fácil neste inverno.

O episódio que vos quero contar hoje aconteceu há umas semanas, a fatídica sexta-feira que choveu granizo em Lisboa. Estava em casa com o cachopo a prepará-lo para o levar à escola, quando nisto parecia que tinham atirado com um balde de trezentos berlindes à nossa janela. "Qué isto, mãe?", "Anda ver, é uma chuva especial." disse eu. Vesti-o com todo o tempo do mundo, pois era impossível saírmos assim de casa.

Parou de chover e fomos rapidamente para o carro, sem guarda-chuva. Acreditei que a aberta durasse pelo menos cinco minutos, o tempo suficiente de chegarmos à escola. Sim, sou uma pessoa crente, é verdade.

Passado um minuto, chovia outra vez torrencialmente com muito granizo. O meu principezinho tentava absorver toda aquela experiência pela janela do carro: ora assustado, ora deslumbrado. Nunca tinha visto nada assim. Chegámos à escola. Era absolutamente impossível sair do carro.

"E agola, mãe? E agola mãe?". "Calma, temos que esperar que a chuva passe." Sim, porque se bem se lembram, não levei guarda-chuva. "Mãe, qué isto? Olha mãe! E agola? E agola?" Eu a tentar arranjar uma solução para conseguirmos sair do carro e o miúdo a colocar questões a cada instante. 

Lembrei-me então, de ir vasculhar o porta-bagagens do carro, na esperança de encontrar um guarda-chuva esquecido. Mas teria que procurá-lo pelo lado de dentro do carro. Saltei para o banco de trás. "O que tás a fazê-le, mãe?", "Calma, já vais ver.", respondi. Eu já estava a atingir um certo grau de irritação. Com alguma dificuldade, lá consegui puxar os bancos para chegar à bagagem do carro. Vasculhei, vasculhei e encontrei nada mais, nada menos que um guarda-sol de praia. Puxei-o para mim e o principezinho ao vê-lo, lá do alto da sua inocente verdade, exclama: "Boa, mãe! Chuva gande, chapéu gigante." Senti que olhava para mim fascinado, como se estivesse perante a sua heroína. Sorri-lhe: "Estás a ver? A mãe nunca se atrapalha". Estava decidido: ía levá-lo à escola com aquele chapéu enorme. Destranquei a porta do carro, abri o guarda-sol e saltaram umas quatro ou cinco varetas.  Com grande pena minha, tivemos que abortar a missão. Fiquei sentada ao lado do meu filho e esperei que a chuva parasse. Dois minutos e finalmente mais uma aberta. 

Foram dez intermináveis minutos barricados no carro, o que vale é que estivemos sempre entretidos! E de que maneira!


4 comentários:

  1. Adorava ter tido essa aventura... E até tem a minha cara!
    Beijinhos e pena... O guarda sol não servirá para o sol também :-)
    CláudiaV

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São assim as aventuras e desventuras de uma mãe :)

      Eliminar
  2. Oohh!!! Eu já estava a ver a cena de vocês a chegarem à escola com um belo chapéu de sol!!! :) Tinha sido mágico!! ahaha ;) Mas porque raio esse detalhe de ter chapéus de sol no carro com varetas partidas é um velho lugar comum para mim? :P ahaha É que é mesmo um clássico na minha vida!!!!! :P
    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois acredita, que eu era mesmo pessoa de tocar à campainha da escola com aquele chapéu gigante... ehehehehe!!!! Um beijinho para ti!

      Eliminar